Archive for dezembro, 2006

Feliz(?) Natal

dezembro 22, 2006

não tem muito o que escrever.
é quase natal, não é mesmo? o ano passou correndo, acho que esse ano o tempo foi menos amigo que antes…
“Mas teve uma coisa que ele não pôde pegar. Não deu pra ele segurar, embora ele soubesse transá-la como um milagre. O meninmo maluquinho não conseguiu segurar o tempo.”
e se ele não conseguiu, o que eu poderia fazer?
nada.
vê-lo passar bem na minha frente, entre minhas mãos, entre meus dedos.
e então perceber que é natal de novo.
e que há um ano era natal também, e que há muitos e muitos anos é natal e que eu sempre fiz as mesmas coisas no natal.
é natal…e eu não espero muitos presentes da família…aliás, eu só espero um presente do meu amigo secreto e eu sei que não vai ser algo que se aproveite…
meus músculos doem e é natal. e eu vou ligar pra cada um dos meus amigos e dar um abraço em quem eu quiser para desejar um feliz natal…e vou comer peru ou chester com arroz oumacarrão…e vou para a substation e não sei se vai ser bom ou ruim, estou apreensivo estou esperando estou com pena de gastar dinheiro estou pensando em comprar o presente de aniverásio de um amigo estou vendo que não tem nada do que pensei para ele…estou vendo que hoje já é sexta e amanhã é sábado e vai ter reunião das pessoas que fizeram parte de boa parte da minha vida e depois será domingo, véspera de natal e eu só posso desejar um feliz natal a todos e rezar para que ano que vem o natal passe sem ser notado e quando perceber estarei eu com meu diploma, com meus filhos, com minha mulher, com minha família e meus amigos com as suas e a distância entre todos crescerá imensamente e talvez nossa segunda família se desfaça para dar lugar a essa família nova.
mas tudo isso está longe demais, é mlehor aproveitarmos nossa segunda família, os amigos, enquanto pudermos tê-los conosco.

As pessoas II

dezembro 18, 2006

“As pessoas também pensam…”
“Isso é.”
“Outro de seus grandes defeitos.”
“…”

As pessoas

dezembro 15, 2006

“As pessoas dizem coisas, sabe?”
“É?”
“É…”
“…”
“Esse é um grande defeito das pessoas”

2006

dezembro 10, 2006

sabe quando as coisas que você diz e faz…elas simplesmente são todas erradas? sim, todos sabem bem como é. ser o errado quando todos são certos. e sabe quando as coisas que deveriam ser simplesmente não são como você planejou que elas fossem e você se sente o maior idiota da face da terra? é claro que você sabe…porque você já se sentiu assim.você já achou que fosse o maior idiota que já pisou no globo. mas aí você lembra de alguém que é pior, que faria pior, que se humilharia mais. então você se sente melhor, seu ego não fica tão pisoteado. “pelo menos eu sou melhor que ele”, você pensa. e talvez alguém pense a mesma coisa de você.
e sabe quando, às vezes, você parece ser o ser mais deslocado do mundo? talvez você até seja, mas sempre vai chegar alguém para invadir a sua privacidade e perguntar “o que foi? aconteceu alguma coisa?” e você vai sorrir um sorriso falso com um pensamento “muita coisa aconteceu” e não vai dizer nada disso, apenas negar com a cabeça porque você tem medo de falar e sua voz te entregar e você cair no choro.
então você está na sua casa, lendo uma carta que você recebeu de aniversário da sua melhor amiga e você percebe que sua melhor amiga a essa hora pode não ser mais a sua melhor amiga, mas que você continua dando esse título à ela porque tem medo que alguém tome seu lugar. e você lê tudo o que ela escreveu há quase 10 meses e se pergunta se tudo aquilo ainda é verdade ou se muita coisa mudou, se ela gosta mais ou menos de você. aí você fecha a carta e lê outra carta mais recente de outra pessoa, de uma amiga que você nunca viu e sente mais calor nas palavras dessa carta desconhecida do que nas palavras da sua melhor amiga. então você é tomado pelo medo e percebe que sua vida vai mudar para pior ou muito pior dentre de 2 semanas e que você não pode fazer quase nada para mudar isso, apenas se entregar à sorte. mas aí, meu amigo, é muito arriscado.
então você pensa em todas as chances de melhorar que teve e faz uma retrospectiva do seu ano. foi uma merda.e você sabia desde o começo que seria o pior. mas pelo menos você fez novos amigos. aí você pára e pensa que seu ano poderia ter sido totalmente diferente dependendo única e exclusivamente do seu eu de ontem. e você sente uma vontade de colocar algum senso de responsabilidade em você, e talve até consiga, ams não é a mesma coisa que o você de ontem. aí você vai se jogar num canto, pensar em beber todas, entrar em coma alcoólico de novo só que dessa vez ir além. aí você percebe que é ridículo demais e que é como daquela vez em que você fez isso por causa de uma mulher que não te queria. e você nem ao menos sabia se era verdade, mas era, você adivinhou tudo.
então você pensa em como sua vida é uma merda e como seria bom ter alguém pra limpar sua bunda e trocar sua fralda quando chegasse aos 80, mas você percebe que chegar aos 50 já é muito e que sua expectativa de vida é morrer aos 45 anos por causas naturais. e percebe que você não vai ver seus netos, talvez nem veja seus filhos crescerem. talvez eles até não lembrem do pai, como acontece em muitos casos e sua imortalidade…sua imortalidade estará em canto nenhum. talvez naquele livros que você deixou de escrever ou naquela retrospectiva daquele ano ruim.

B.o.M.

dezembro 8, 2006

Quero dizer-te que você, depois desse tempo de relacionamento, é parte importante da minha vida e que a separação será dolorida. Porque somos amigos, somos irmãos e se houveram brigas, foram para o bem de ambos. Mas não houveram conflitos entre nós. Não é a fé que nos une, aliás, ela talvez até nos separe. Não é família. Somos irmãos pela música, irmãos pela alma. Somos mais que os outros, somos unidos pelo brasa e pelo ferro. Fomos forjados pela chama de deus, da mesma fornada dos raios de Zeus, somos peças dos deuses, somos deuses, eu dourado, você do que quiser.
Somos eternos, irmão, imortais, e não será a distância que há de nos separar. Porque não há distância entre os deuses desse panteão.
E o vento soprará boas novas sobre mim e sobre ti. E haverá festa.
Ergueremos nossos copos transbordando de hidromel, cerveja, vinho, champanhe, o que for, e beberemos tudo num gole.
Agora devo ir irmão.
Porque a vitória está na esquina. Ela espera por nós.

Todo lado tem seu lado…

dezembro 1, 2006

anima-me saber que os sonhos dela são só sonhos.
sua realidade talvez possa vir a ser boa demais para ela e dolorosa demais para mim. melhor não correr riscos, melhor não sofrer, melhor não viver.
melhor seria deixá-la feliz, com seus sonhos e seus amigos, seus amantes, seus amores. num mundo perfeito talvez eu o fizesse. mas esse não é um mundo perfeito, esse não é um mundo de sonhos.
certamente se aqui fosse o sonhar, minha Nada seria minha, meu tudo!
eu não teria que fazê-la queimar no fogo sagrado do inferno, pagando pelo pecado de não amar como eu a amei.
“não importa em quantas partes seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte” mas isso é errado. meu mundo pararia por ela. meu mundo é estúpidamente idiota, é um mundo de um apaixonado, de um tolo sonhador, meu mundo é um sonho, meu mundo é ela.
e eu não sou o mundo dela.
e muitos dirão que devemos seguir em frente, andar.porque um passo vem depois do outro e essas baboseiras todas…mas não são eles quem terão que dar o primeiro passo para esquecer quem mais se amou.é, tudo isso é um grande clichê, mas como já li escrito em algum lugar: esse é meu clichê favorito.
e não vou negar que sou louco por você. caio em canções clicês, lugares comuns, para te procurar passeando num parque ensolarado, ou na areia da praia, sentindo os grãos de areia e a água lavandao tua pele e arrastando os pecados para o mar. mas você é tão limpa, tão sem pecados, tão branca no seu corpo pálido, amarelo. mas você é meu doce mel, meu pedacinho do céu. tão perto que eu poderia tocar, que eu poderia ser, que eu posso ouvir, posso ver, mas você, você é sua demais para ser minha.
é preciso acabar de vez com essa idéia de possessão. não quero você para ser minha escrava ou coisa do tipo, não te colocarei numa estante de exposição e ficarei a dizer coisas do tipo: “tá vendo aquela dali? peguei!”. mas quero-te como minha rainha, minha parceira, minha, minha, minha, minha porque estarás ao meu lado. “Todo lado tem seu lado. Eu sou o meu próprio lado. E posso viver do lado do seu lado que era meu” quero que você seja o lado ao meu lado para sermos um só lado da moeda, um só lado da cara, um solado do sapato ou algo do tipo,não importa o que sejamos, mas que sejamos uno.
deprime-me vê-la desconsolada, achando que seus sonhos não podem ser reais. e exatamente por vê-la triste sinto uma incrível comoção, um misto de felicidade e sadismo, de dor e tristeza, sinto-me estranho, querendo tê-la ao meu lado para sempre e desejando para ela toda a felicidade do mundo (mesmo sabendo que a felicidade dela NÃO DEPENDE de mim, talvez não dependa de ninguém, mas não depende de mim. é isso o que importa, só eu importo.)
mas tudo isso acontece porque eu sou um pouco sentimentalista e um muito egoísta.