Archive for outubro, 2006

Rosa

outubro 26, 2006

A estrada vazia cheia de poeira, sem vida. A estrada da morte. Foi nela que encontrei-a. A lua subia alto no céu estrelado do deserto. A estrada nua. Deitada à minha frente, pedia que eu fosse violento, que passasse as mãos por suas curvas. Então eu a vi. Mochila nas costas, saia hippie, cabelos longos mesclando-se com o céu. Linda! Extremamente linda! Parei o carro, ela entrou.
Rosa, seu perfume era rosa pura. Sua voz continha a melodia doce e morna, lenta, carinhosa, macia como quando não se sabe se está dormindo ou acordado, quando os sons parecem distantes demais para serem ouvidos. Rosa…logo tornou-se a minha flor. A flor do deserto, tão rara, resistente, de perfume único, maravilhoso, que gruda na lembrança como uma das maravilhas da natureza.
Rosa era tudo com que eu sonhava. Era incrível como seu andar me hipnotizava, a forma como seu quadril passeava, envolvendo todos que a viam.
Rosa, como todas as outras, tinha espinhos para ferir. Não perdoava quem a segurava muito tempo nas mãos, nos braços, meus braços, necrozados, podres, caídos, mortos. Rosa se foi e foi-se com ela seu cheiro inconfundível, sua alegria, sua beleza, sua bonança, e levou também o ar, que era meu. Agora estou sem ele, sufocando.
Não penso em ter Rosa mais uma vez ao meu lado. Eu só quero meu ar, respirar. Rosa foi a minha flor de inverno, bela e fria, me esquentou, protegeu-me da neve,também me machucou, mas murchou. Morreu. E eu não ligo. A primavera está chegando.

Oremos… [Terla e (d)EU(s)]

outubro 19, 2006

– Deus, por que eu sofro tanto, chêgado?
– Porque você quer, minha filha. Se não quisesse não sofria.
– E o que é que tenho que fazer para não sofrer? Virar crente? Comprar um pedaço do céu?
– Acreditar em você mesmo. Olhe só, Eu sou Deus, certo?
– Certo
– Mas Eu não vou fazer nada por você porque você é insignificante demais para que eu me preocupe. Cuide da sua vida e não se preocupe onde vai queimar, no céu ou no inferno, porque você já está no pior lugar e o que vier é lucro.
– Pois é senhor.. só fico no deslucro…Só sofro, mal-trato os outros…EU QUERO MORRER!
– Você tem essa escolha, mas você REALMENTE quer? Pense em tudo o que vai perder… haverá sempre o sofrimento, mas nos momentos de alegria eles todos são esquecidos e superados. Ou quando você ri você sente vontade de morrer de tristeza?
– Eu não presto pra nada. NADA!Ninguém me ama! Eu sou, como o senhor mesmo disse, insignificante.
– Você presta para algo. Você ainda não descobriu para quê. Você descobirá. Dê tempo ao tempo, você é jovem. Não viveu nada. ABSOLUTAMENTE NADA! Quando tiver alguns milênios de idade, entenderá todo o porquê de tudo isso.
– Eu só queria que não existisse tudo isso: ódio, amor, ira, paz…queria o vácuo!
– Mas é exatamente nos sentimentos que está o movimento. É no sentimento que você está. Acredite, sem eles você não estaria recebendo essas mensagens divinas.
– Ô Deus.. por que minha mãe é tão chata?
– Porque ela é sua mãe.Se fosse sua tia você a acharia legal. Toda mãe é uma boa tia.
– Ô Deus…por que eu sou tão grande?
– Por causa dos teus pais.
– Ô Deus…por que quem eu quero não me quer?
– Porque ele não te merece.
– Ô Deus…como é o céu?
– Um inferno.
– Nossa Deus…você vive na terra?
– As vezes.Eu vivo em todos os planos. Terra, Céu, Inferno…todos ao mesmo tempo. De fato, Eu sou Onipresente.
– Ô Deus…qual a minha missão, por que o Senhor me mandou??
– Só a revelarei no dia em que fores morrer. Não antes.
– Ô Deus…e como eu vou descobrir, para poder fazer tudo certinho?
– Você quem deverá tomar as decisões, minha filha. Deus, como já disse, não pe vagabundo para se preocupar com besteiras como a sua vida.
– E por que você me cuspiu na terra? Foi mais uma cagada errada? Jogar uma filha sua no mundo? Sem cuidados? Pra ser estuprada?
– Eu já disse que não te direi tua missão até o fim de tua vida.Mas se você tiver que sofrer, ser estuprada, viver sem cuidados, que seja. Haverá quem cuide de você. Não tneho obrigações. Eu não sou seu pai. Meu único filho morreu e vocês aí, que o condenaram a morte, hoje o idolatram como se ele fosse Eu, mas ele é ele e Eu sou Eu. Vocês o pregaram numa cruz e hoje pregam a cruz nas suas salas e choram por ele e acham que ele morreu por vocês. RÁ que PIADA! Por vocês! Ele era humano, apesar de ser meu filho. Você, que é humana, me responda. Você gostaria de morrer no auge da sua vida? Morrer para salvar um bando de idiotas ingratos? Bem, ele também não.
– Desde criança me dizem isso no colegio: ele morreu para nos salvar!mas salvar de que?
– Exato. Salvar de que? Vocês criaram o céu e o inferno, vocês criaram o diabo e criaram a Mim. Vocês têm medo da morte mas não entendem o quão natural ela é.
– Nisso eu concordo. mas “tu disse”: (algo do tipo) Crê em mim e ganharás a vida eterna!
– Eu disse? Prove!
– Tem naquele livrinho lá.
– Essa é uma grande falha dos humanos. Acreditam em qualquer um.
– Verdade…Ô Deus…quando eu vou ganhar na loteria?
– Quando você acertar os números sorteados. Você sabe quantas pessoas me perguntam isso ao menos uma vez na vida?
– Nem imagino…Ô Deus… existe vida após a morte?
– O que você acha? O que é a morte?
– Sei lá uai!Por isso que eu pergunto ao Senhor.
– O dicionário Aurélio define Morte como: 1.Ato de morrer; o FIM DA VIDA animal ou vegetal. 2.Termo,fim.
Definição melhor não encontrei.
– Desde quando Deus precisa consultar dicionário?
– Eu não o consultei. Eu o citei. Eu não preciso dizer o significado de morte se vocês já o tem. Eu acho que vocês são muito preguiçosos. Querem tudo de mão beijada.
– Eu sou mesmo. Você que me fez assim. A CULPA É SUA!!TODA SUA!!DE TUDO DE RUIM QUE ACONTECE!!SUA!!!
– Eu já disse, criatura, Eu não te fiz.Você não é minha filha, nem minha cria, nem parte de mim. Você é 50% seu pai e 50% sua mãe.23 cromossomos de cada.
– E pra que porra você serve?
– Eu sirvo para nada. Para povoar a mente de vocês. Se você descresse em mim não haveria essa conversa, mas o problema é que você crê. Então acredita no mais impossivel.
– Quer dizer que você só existe se eu quizer! SEU MERDA!
– Exato.Eu dependo de você para existir, mas você não depende de mim para que exista.Ou não haveriam ateus. Os que crêem dizem o seguinte: Deus sem você é Deus mas você sem Deus é nada. Isso é mentira, ou como dizem os americanos, numa expressão que se ajusta perfeitamente aqui, BULLSHIT! Você sem Deus continua você mas Deus sem Você não existe. Você tem o poder. É só crer.
– Eu sou mais que você?
– É. Depois de toda essa conversa você só veio pensar nisso agora?Você tem capacidade de criar e matar deuses.
– É porque você é mais pop que eu!
– A popularidade não diz nada. Arranje fanáticos loucos como os que me criaram e você será a igreja mais cultuada. Uma dica: a “santa” inquisição é uma boa forma de arranjar crentes. Eles começam a crer porque tem medo de não crer. É ridículo o que o medo pode fazer no ser humano. O medo é o pai de todos os deuses que já existiram e que jamais existirão. Você entende o que eu digo?
– Surpreendentemente eu entendo!
– Muito bem.
– Ô Deus…e o que você pensa sobre o povo que diz que te vê, te sente…
– Você quer mesmo saber ou já dá para saber o que eu acho?
– Deixa pra lá…
– Você já sabe, não?
– Sei
– Muito bem.
– Ô Deus…por que eu não sou inteligente como meu irmão?
– Você é.
– Sou?
– É. Acredite. Você tem uma das mentes mais brilhantes que eu já visitei.
– E seu irmão se deixa cegar muito pela fé. Não deixe isso acontecer.
– Você tá me desincentivando a crer em ti?
– Estou. Você só percebeu agora? Pense em tudo o que eu te disse. Crer ou descrer em mim não fará a menor diferença.
– Isso significa que você não gosta de falar comigo! VOCÊ PREFERE FICAR COÇANDO O SACO!!!
– Prefiro. Na verdade, prefiro ver as novas devassas que chegaram no inferno.
– Eu só num mando você tomar no cú porque eu sou muito educado.
– Pode mandar. Eu não ligo.Mande.
– Coragem…
– MANDE!…Você é covarde não é? Não consegue mandar… você nunca se livrará das correntes da ignorância.

– Eu poderia te abandonar aqui. Deixar-te com a idéia de que Deus te ama e só te quer o bem.Bem…isso tudo é a maior idiotice. Vamos…MANDE! Você consegue.
– Hunf!
– Covarde.

Sem título, porque títulos não servem para rotulá-la

outubro 13, 2006

Mas de certa forma estamos todos esperando que o par perfeito seja alguém que olhe para a gente quando estivermos lendo um livro qualquer em qualquer lugar e diga: “Poxa esse livro é demais”. E eu vou dizer: “É…”. E ela vai dizer todo o resto porque eu sou péssimo pra puxar assunto e então começaremos a nos falar, trocar idéias, números, depois trocar carícias, depois alianças. Todo mundo sonha com isso ao menos uma vez na vida.
E digo mais. Sonho com uma mulher que segure minha mão e digA: “Vamos curtir essa música, porque eu amo demais.” E então começará a tocar Stairway to Heaven ou Black. E só ouviremos, abraçados um ao outro, sem se mecher, porque a vida só continua lá fora. Aqui dentro somos um só ser mágico ouvindo os lamentos da mulher que pensa que tudo o que brilha é ouro e perguntando-nos por que nunca seremos as estrelas nos céus de quem realmente amamos. E aí vamos descobrir que somos quem nós amamos. E só olhar nos olhos sem precisar estragar o momento com palavras irritantes cortando a maravilhosa melodia.
E passaremos noites a fio ouvindo as mesmas músicas, percebendo que quem mais desejamos que estivesse aqui já está. Leremos trechos de livros em silêncio e mostraremos um para o outro. Olhando nos olhos. Quero uma mulher que me olhe nos olhos e me veja olhando nos olhos dela. Uma mulher que não me faça sentir mal por ter olhado-a. Quero que ela descanse sua cabeça no meu ombro, que se sinta segura comigo. Quero adormecer sentindo o cheiro do seu cabelo.
Quero vê-la acordando depois de uma noite maravilhosa de sono. Vê-la sorrindo ao perceber que estou ali só observando-a e pensando: “Deus, como minha mulher é linda!”.
Eu quero tudo isso para mim.

Fome

outubro 10, 2006

Um corpo foi encontrado ontem a noite num terreno próximo da minha casa. O cheiro de pólvora entrou pela fresta da porta e invadiu todo o apartamento, parecia que o tiro havia sido disparado aqui dentro, mas eu sei que foi lá fora. Eu estava lá. O corpo apresentava sinais de violência sexual, mas não foi nada demais, seus órgãos genitais haviam sido dilacerados. Seus olhos não estavam nas órbitas oculares, mas em seu punho fechado. Azuis como o céu. Suas unhas foram arrancadas, e seus dedos lixados, seu maxilar deve estar queimado em algum lugar longe dali, a língua solta estava sendo arrancada por um desses pássaros carniceiros, que se alimentam da desgraça alheia.
E eu podia imaginar perfeitamente a cena, podia sentir o cheiro podre invadindo minha narina, fazendo até com que eu sentisse o gosto daquela carne pútrea. E eu sinto como se eu tivesse olhado bem fundo nos olhos quando estes ainda eram vivos e visto toda a vida que havia neles, e visto a dor e humilhação que surgiram e visto a vontade de viver ali e eu me senti como se tivesse o poder de escolher se ele viveria ou se morreria. E então eu lhe dei a morte.
Ele só foi encontrado por que os vizinhos estavam reclamando da quantidade de urubus nas redondezas e resolveram procurar a carniça de algum bicho morto. Encontraram um pouco mais que isso.
Seus membros estavam cortados, serrados em partes e dispostos aleatoriamente pelo terreno, seu intestino dava voltas no seu pescoço como se formasse um colar macabro. O mais incrível de tudo: seus pés eram a parte encontrada mais intacta. Foram separados da perna e postos ao lado como se fossem calçados.
Era uma cena linda, digna de pintura.
E tudo isso daria um maravilhoso filme não é mesmo?
Algo Hollywoodiano, cheio de suspense e exploração psicológica, quem foi o assassino? Por que ele fez isso? Quem era a vítima?
Uma pena que tudo isso seja real demais para o cinema.
A magia disso só pode ser transmitida quando se está lá, quando se sente o jato de sangue no seu rosto. Quando você toca o intestino ainda trabalhando, quando você arranca a jugular, quando você vê a morte na sua frente e ela não pode te pegar.
Real demais para ser um sonho.
Real demais para ser real.

Malu (ou possibilidades do que é possível)

outubro 6, 2006

Você viu a Maria Luiza?
Não?
Bem…se a vir avise que os pais dela estão procurando.

Maria Luiza, 2 anos, seqüestrada no último dia primeiro, dia de eleições, no Eustáquio Gomes. Está sumida desde então. Disseram-me que tudo isso aconteceu porque no ato do assalto, o cidadão, que é um policial de patente baixa, reagiu, trocando tiros com o assaltante[que tipo de pai troca tiros com o assaltante quando sua filhinha está correndo o risco de ser alvejada por um dos tiros? Acho que ele não pensou nessa chance, ou se o fez, não deu o devido valor à filha]. O assaltante, com sede de vingança por tal atitude intolerável, já que ele era o dono da situação, disse algo do tipo: “Já que você resistiu, vou levar tua pirralha”. Algo bem dramático, quase roteiro de filme.
Agora, os pais querem-na de volta para dar alegria ao lar. Querem sua Malu de volta. Ela é apenas uma pobre e inocente criança que foi usada como escudo num assalto.Os pais querem seu escudinho de volta. Eu, como pai que sou, estaria aflito, morrendo agora mesmo. Mas eu, sinceramente, não ligo muito. Se os assaltantes forem inteligentes já estariam longe do estado e a menina em algum lugar, abandonada à sorte. Se eles são inteligentes e frios, não deixariam a pobre menina a sós e provavelmente a teriam matado e jogado seu corpo em algum canavial por aí.
Mas se são burros, votaram no Fernando Collor e em outros políticos do naipe, bem…não podemos esperar isso não é mesmo? Eles cobraram 400.000 reais pela menina. Será que ela vale isso? Se eles conseguirem negociar, a polícia vai entrar no meio melar tudo e eles estarão fodidinhos.E se eles pensaram em tudo isso, considere as chances da pobre criança estar morta serem EXTREMAMENTE ALTAS, já que não importando o que eles tenham feito, sofrerão por isso. Vão ser os coitados da prisão, até estupradores vão ter pena deles…(Isso se não levarmos em conta a possibilidade de haver um pedófilo no meio dos seqüestradores. Não podemos deixar de especular nada. Tudo pode ser um fato.)
Lembro-me de um seqüestro ocorrido não sei em que ano, em que abduziram um casal de jovens, não sei a idade, sei que a garota tinha 16 anos e era linda. Executaram o namorado na frente dela com um tiro na nuca e depois de várias seções de violência sexual resolveram que o melhor a se fazer era matá-la. Foi o que fizeram. Só que o detalhe é que quem fez tudo isso era um outro jovem de 16 anos. 16 mata 16. Cão mata cão, e gato também,e zebra, coelho, macaco, e humanos matam humanos e a idade não faz a mínima diferença para ninguém.
Maria Luiza, 2 anos, escudo de assalto. Querem-na de volta. Viva.
Talvez isso seja impossível.
Talvez seu corpo tenha se juntado ao adubo para cana do senhor JL ou qualquer outro usineiro.
Talvez ela tenha sido vendida para algum gringo em turismo sexual por aqui. Ou até mesmo sido usada como doadora de órgãos…
Talvez ela tenha tido sua coluna partida em dois e suas tripas enfeitado árvores em rituais satânicos que poderão estar acontecendo agora, na lua cheia, seu crânio servindo de candelábro e seus olhos dados aos cachorros…
Talvez, criando esperanças em muitos, ela continue viva e acabe com a magia da imaginação…

Diálogos

outubro 3, 2006

À Namorada:

Eu comi a sua empregada porque estava bebado. Só assim para alguém comer aquela coitada. Foi numa sexta a tarde e você tinha saído com seu irmão. Desculpa, amor, ela apareceu me oferecendo água, mas derramou o copo no chão (sim, ela quebrou o seu copo favorito por minha causa) quando ela abaixou para pegar os cacos e eu vi aquele rabão na minha frente…eu não resisti.
Comi sua empregada porque eu tinha tomado um pileque da porra antes de ir te ver. Era ela ou você. Ela apareceu antes…
Comi a sua empregada, mas preferia comer você.

Ao Delegado:

É. Era um sábado de madrugada e eu estava sem ter o que fazer na minha casa. Aquele tédio pré-sono. Aquela agonia que dá quando se está deitado e tentando dormir sem conseguir pregar o olho. Resolvi dar uma volta.
Atirei num mendigo porque eu estava entediado.
Por quê mais eu faria isso?
Atirei e ele matou meu tédio como eu o matei.
Eu o matei, não matei?
Bem, espero que sim. O que importa é que ele matou meu tédio.
E toda aquela adrenalina me fez acordar de vez. Eu fiquei ali olhando o corpo fétido daquele mendigo podre no chão, o sangue dele parecia piche escorrendo pelo asfalto. Estava tudo muito escuro e o barulho da arma não foi tão alto assim.
Atirei, não nego. Mas foi com a melhor das intensões.

Ele e Ela

outubro 1, 2006

Ele e Ela se encontraram.
Ele diz: Oi
Ela diz: Oi
Ele diz: Tudo bom?
Ela diz: …
Ele diz: Você está bem?
Ela diz: Escuta…tenho algo pra te dizer.
Ele diz: Diz.
Ela diz: Não fica com raiva, tá?
Ele diz: Não me dê motivos para ficar.
Ela diz: É algo sério. Não quero ver você ficando irado por causa disso.
Ele diz: Então diz logo que eu já esotu me irritando.
Ela diz: Eu estou grávida. Você é o pai.
Ele diz: …
Ela diz: Fala algo.
Ele diz: …
Ela diz: Fala algo!
Ele diz: …
Ela diz: FALA!!
Ele diz: Falar o que?
Ela diz: Qualquer coisa cara! Diz que é bom, que é ruim, um horror, uma maravilha…qualquer coisa.
Ele diz: Tem certeza que eu sou o pai?
Ela diz: Você está me chamando de que?
Ele diz: De nada…
Ela diz: Você tá me chamando de puta!
Ele diz: Puta não…só acho que você é meio promíscua, volúvel e tal…
Ela diz: …
Ele diz: Então…quando você descobriu?
Ela diz: Anteontem.
Ele diz: Quando você vai abortar?
Ela diz: Nunca!
Ele diz: Hã?
Ela diz: Eu vou ter esse filho.
Ele diz: Tem certeza? Tipo…você é muito nova e eu também…A gente podia…sei lá…abortar.
Ela diz: Não. Aborto é crime e vai contra os princípios da minha igreja. Sou uma católica apostólica romana.
Ele diz: Você sabe, também, que foder antes do casamento é contra essa tua “igreja”.
Ela diz: …
Ele diz: …
Ela diz: …
Ele diz: Eu vou ser pai…
Ela diz: E eu vou ser mãe.
Ele diz: Eu não estou pronto para ser pai.
Ela diz: E você acha que eu estou pronta para ser mãe?
Ele diz: Mas toda mulher tem um lado “maternal” desde cedo. Eu não tenho lado paternal. Eu odeio crianças!
Ela diz: Você aprende a gostar. Especialmente quando perceber que ele é seu filho.
Ele diz: Mas…
Ela diz: O que?
Ele diz: Você tem certeza que é meu não é?
Ela diz: TENHO! Não ouse me chamar de…
Ele diz: Não tô chamando de nada…foi só para ter certeza…
Ela diz: Sei…
Ele diz: Eu vou ser pai…
Ela diz: Eu vou ser mãe…
Ele e Ela dizem: Vamos ter um filho.
Ele e Ela abraçam-se e se vão.