Archive for maio, 2006

Seria a hora?

maio 31, 2006

Talvez você esteja pronta para saber quem sou.Mas será que estou preparado para a sua rejeição?Não seria demais para minha mente?Sim, sou fraco e desequilibrado.Não tenho força o suficiente para me sustentar.
Talvez em você eu veja tudo que me falta.A beleza, a inteligência, o carisma, enfim, em você eu vejo tudo o que me completa.
Com você quero gastar meu tempo, gastar minha vida.Sei que isso não diz nada, não é nada,mas minha vida, meu tempo, são tudo o que tenho.Estou te entregando meu tudo.E meu tudo é você!
Seria melhor dizer tudo isso olhando nos seus olhos,mas eu sou um covarde incapaz.EU TE AMO! e quero viver contigo tudo o que puder.Passar minha vida ao teu lado, num eterno e terno abraço…

Sorrir?

maio 26, 2006

Talvez hoje tivesse sido o dia para eu ter dito tudo aquilo que deveria, mas eu sou tão incompetente, tão inútil que não tive a capacidade de abrir a boca e sorrir. Não seriam necessárias palavras, apenas um sorriso bastaria.Talvez fosse o suficiente para que ela visse minha alma refletida no amarelo encardido dos meus dentes mal escovados.Meu sorriso cariado, eu não mostrei.
Talvez tenha sido até melhor assim, sem que ela enxergasse minha alma, sem que visse a cor suja da minha aura.Amarelada, encardida, preta.Você consegue senti-la através das minhas palavras?Palavras que vieram da minha mente suja, poluida, pornógrafa e distorcida?Você sente minha podridão?
Lógico que sim.
Será melhor, então, não sorrir para não amedrontá-la.Seria melhor esquece-la.Seria?Para me entristecer com tua alegria, seria melhor sorrir e te fazer chorar, não seria?Seria melhor sofrer ou mostrar-me?Sorrir ou chorar?Amedrontar e amar, te esquecer e sofrer…Talvez seja melhor acabar com o eu e o você.
Talvez…
Seria bom se fosse fácil assim.

Descoberta

maio 13, 2006

“Você sabe?”
“O quê?”
“Ora, você sabe…”
“Sei o que, menino? Me diga!”
“Dizer para que se você já sabe de tudo?Tá na sua cara, no seu olhar, no seu sorriso.Você sabe…Quem te disse?”
“Han?”
“Diga!Quem te disse?”
“Ninguém.”
“Será que eu fui assim tão óbvio?Ora, mas é claro que eu fui, eu sou um desses seres patéticos que não conseguem fingir uma só vez…”
“Não, você não é.”
“Ora, é claro que sou!Eu nunca soube fazer nada direito.Sou um verdadeiro bosta!”
“Que nada menino, você é foda!”
“Sou nada, sou um nada.Você sabe de tudo!Como você descobriu?Eu dei sinais?”
“Não sei do que cê tá falando!”
“Claro que sabe, não se faça de boba.”
“Mas eu sou boba.”
“É claro que não é.”
“Sou.”
“Se você fosse não teria percebido, o bobo sou eu.Sou um boboca!Quando você percebeu?”
“Já faz um tempo…”

Amor (acho que esse será o título de muitos outros por vir…)

maio 5, 2006

E na minha condição de humano eu quero abdicar todos os sentimentos em mim presente!Quero ser feliz como os macacos, ser amoroso como as pedras e caloroso como as árvores.Porque não é isso que todos querem, afinal?
Dar um tempo em tudo seria tão simples se não fosse por esse fato que você acha desconhecer, mas eu já te disse milhares de vezes.
Ora, não perceber que é você quem quero?
Mas agora o que quero é ser um grande iceberg.Uma geleira num mar de wishky, quero ser o oxigênio que alimenta o fogo e promove a destruição, quero ser feliz, quero acabar contigo e com todos, quero me acabar com você.
E queimamo-nos na eterna pira dos amores malditos.